Menu
RSS


"Cansei-me de ver como as mulheres são retratadas nos filmes", diz Paul Feig (Um Pequeno Favor)

Numa entrevista ao The Independent, o realizador Paul Feig - cujo Um Pequeno Favor chegou esta semana às nossas salas de cinema - afirmou que nunca procura personagens femininas fortes para os seus filmes, até porque não gosta desse termo: "É um termo bidimensional. Eu gosto de mulheres que são fortes e fracas e engraçadas e vulneráveis ​​e com medo".

O realizador de filmes como Bridesmaids (2011) e Ghostbusters (2016) deu ainda a entender que as personagens "femininas fortes" só o são assim chamadas porque são extremamente multifacetadas, como as duas protagonistas de Um Pequeno Favor,  Stephanie, interpretada por Anna Kendrick, e Emily (Blake Lively). “Cansei-me de ver como as mulheres são retratadas nos filmes. São tão mal [retratadas], especialmente nas comédias. Basicamente, são adereços ", diz Feige.

Conhecido por comédias mais "frontais", aqui esse género joga lado a lado com o mistério, como se estivessemos perante uma versão cómica de Gone Girl - Em Parte Incerta. Para o cineasta a mistura dos elementos faz todo o sentido: "É um género inerentemente absurdo (...) e há tantas voltas e mais voltas. Mas eu gosto que as pessoas riam. Quero sempre que o público sinta que podem se divertir. "

Ghostbusters

Feig ainda não digeriu completamente as críticas e os ataques que o filme sofreu mal foi anunciado. O diretor admite que eu não tinha percebido que tinha pisado "um ninho de vespas" repleto de veneno dos fanboys quando em 2016 assumiu o reboot da franquia e lançou quatro mulheres no protagonismo.

O trailer tornou-se num dos mais odiados da história do YouTube, repleto de comentários misóginos e racistas, muitos deles publicados a mando de Milo Yiannopolous, figura da ALT Right que foi (eventualmente) banido do Twitter. "Tornou-se uma coisa política. Por isso que nós não tivemos resultados nas bilheteiras como deveríamos, porque é um filme divertido de verão" afirmou, acrescentando que a sua experiência nesse filme abriu-lhe os olhos. Para ele, essa não era a reação normal da comunidade nerd, mas de algo  mais sinistro que ele rotula como uma abordagem “Trump” de “destruír a todo custo, arruinar”.

O futuro?

A Feigco - empresa de produção do cineasta - está atualmente a ultimar os trabalhos de Someone Great, uma comédia romântica da Netflix escrita e dirigida por Jennifer Robinson e protagonizada por Gina Rodriguez (Jane the Virgin).

Feig também prepara a a Powderkeg, uma nova empresa de conteúdo digital especificamente criada para apoiar vozes pouco ouvidas, trabalhando atualmente em East of LaBrea, uma série para a web sobre a experiência muçulmana-americana. Para o realizador e produtor, fazer filmes é um negócio caro e os estúdios, acima de tudo, hesitam em arriscar em novas vozes. A Powderkeg, ele espera,  abrirá caminho entre as vozes menos ouvidas da sociedade e as grandes produções.  "Se não conseguirmos ampliar o espectro dando empregos às pessoas para que elas possam dar nas vistas aos olhos de um estúdio, nada vai mudar", diz Feig. 



Deixe um comentário

voltar ao topo

Contactos

Quem Somos

Segue-nos