Menu
RSS


«Snu» por Jorge Pereira

Há um plano muito curioso neste Snu. O ator Pedro Almendra, que interpreta o papel de Francisco Sá Carneiro, dirige-se ao país perante uma câmara de televisão. A lente de Patrícia Sequeira, veterana na TV, "novata" no Cinema, filma os dois: Almendra e a câmara de TV, simultaneamente exibido a imagem do verdadeiro Sá Carneiro nessa mensagem ao país. Este verdadeiro "efeito de distanciamento", lá diria Brecht, faz o espectador estar consciente que está perante um objeto artistico, sendo curiosa a decisão profundamente consciente da realizadora em querer misturar imagens reais e imagens encenadas neste seu filme sobre o grande amor entre Snu Abecassis e Francisco Sá Carneiro.

Perto das cinebiografias típicas que acompanham a vida das personagens distribuindo os tópicos em camadas, analisando com mais ou menos profundidade cada uma delas, Sequeira foca-se essencialmente nesse amor, onde não faltam especulações, sonhos, alegrias, dores e sofrimento, engenhos que arrastam tudo o resto, onde se inclui a vida profissional e o percurso de ambos na década de 1970: ela, como editora da Dom Quixote com princípios muito frontais sobre social democracia; ele, um político em ascensão a liderar a direita democrática no Portugal pós-revolução ainda em convulsão.

É neste trajeto que encontramos também o bom registo dos atores, pois quer Inês Castel-Branco, quer Pedro Almendra incorporam as personagens carimbando-as de conhecimento (os tais factos históricos, validados por Helena Matos), charme, e acima de tudo carisma, criando entre si uma química amorosa que nos convence da sua relação e daquilo que mina as suas personalidades.

E a realizadora filma tudo sem restrições no estilo, sem uma régua e esquadro ou um livro carregado de apontamento das convenções do género. Ao invés, ela navega entre o puro cinema, a novela de luxo, o filme videoclipe (onde não faltam onirismos), o registo documental, mas sempre com um toque poético, lírico e apaixonado, trespassando isso não só pelo uso das palavras do outro Sá Carneiro (o Mário), mas também através de uma banda-sonora onde Surma carrega o misticismo dos enamorados (emora algumas vezes, exageradamente na imposição às imagens).

Em suma, estamos perante um intressante exemplar de cinema comercial português sem cair na excessiva linguagem de TV, e num registo que foge suficientemente da presunção pictórica de parte do cinema de autor português, o qual esconde falta de criatividade e arrojo "com mãos cheias de nada" na forma de silêncios, contemplações, vazios narrativos e referências que deliciam os sentidos, mas que ora são derivativos, ora ocos, perfeitos para críticos analisar "em modo horóscopo".


Jorge Pereira



Deixe um comentário

voltar ao topo

Contactos

Quem Somos

Segue-nos