Menu
RSS


«Private Life» (Vida Privada) por André Gonçalves

Passaram-se 11 anos desde que Tamara Jenkins passou do anonimato relativo a ser um nome reconhecido pela Academia de Hollywood, e consequentemente para fora dos Estados Unidos, com Savages.

Em 11 anos, o mundo mudou (houve uma crise económica, a subida das redes sociais e de movimentos populistas, e tudo o resto que estes fenómenos fulcrais obrigaram), mas Jenkins encontrou claramente o seu registo, e manteve-se fiel a ele, imune às alterações externas: mostrar-nos famílias semi-aburguesadas, mas ainda a viver para pagar a renda todos os meses, em rotura. Passamos assim, neste espaço de tempo, de um casal de irmãos quarentão a assistir um pai moribundo ausente para uma odisseia de um casal de meia-idade quarentão a tentar fazer nascer um sucessor seu.

Mantém-se o humor negro, as referências pop abundantes (e aqui é o usar e abusar até à exaustão de menções de filmes, livros, peças, terminologias sociológicas, etc.), as personagens no limiar da simpatia, pelos seus vícios – neste caso, o vício autorreferenciado em engravidar. O filme começa logo por mostrar uma sequência potencialmente erótica que rapidamente se revela inteiramente procedural: uma injeção como parte de um tratamento, por sua vez desencandeia uma troca de palavras mais acesa. Até a pornografia, para efeitos de masturbação, revela o cansaço de uma repetição de um procedimento que se tornou tudo menos orgásmico para o elemento masculino do casal (Paul Giamatti, num registo bastante seguro e de encontro às expectativas públicas que o espectador tem dele, sem grandes transformações).

A primeira metade desta "Vida (não tão) Privada" foca-se no fracasso das tentativas, parte a odisseia em capítulos/fases procedurais, até se chegar à conclusão que será necessária uma terceira pessoa para gerar o tão desejado bebé. Para chocar e fazer curto-circuito mental nos velhos do restelo, a melhor candidata revela-se eventualmente a sua sobrinha, uma aspirante a escritora – com a típica deambulação de uma jovem adulta.

As implicações éticas de tal empreendimento são rapidamente e previsivelmente exploradas no início da segunda metade, como se o segundo ato, pós-premissa, tivesse começado meia hora mais tarde do que o costume. E de facto, a sensação psicológica por essa altura é que já vimos um filme inteiro, e vamos agora começar outro, onde a parte drama de "dramédia" começará inevitavelmente a ocupar mais lugar.

Costuma-se dizer que já não se fazem filmes como antigamente, mas Vida Privada é um filme nascido no “nicho Sundance” absolutamente intemporal na sua estrutura, pese a suposta progressividade do seu tema central. Todos os pequenos pormenores quotidianos ou atípicos da consciência coletiva no que toca a uma gravidez induzida são explorados; quanto mais embaraçosos melhor, para um efeito “choque” que se confunda com o objetivo artístico de mostrar uma janela raramente vista pelo espectador, quando o produto final não é assim tão inovador na sua conceção. A maior janela aqui gerada acaba por ser a janela de oportunidade finalmente atribuída a Kathryn Hahn, claramente uma das atrizes mais subusadas da atualidade, claramente não jogando pelas regras mediáticas, o que a relegou durante muitos anos para personagens bem secundárias. Aqui, finalmente encabeçando uma produção, revela-se o elemento mais surpreendente e duradouro de um filme indie para nos fazer lembrar que um género aparentemente experimental no papel não trouxe assim tantas novidades desde 2007.

André Gonçalves



Deixe um comentário

voltar ao topo

Contactos

Quem Somos

Segue-nos