Menu
RSS

 



«Book Club» (Do Jeito Que Elas Querem) por Ilana Oliveira

Do Jeito Que Elas Querem é um filme que utiliza fórmulas muito antes revisitadas, porém, com um olhar alternativo, justificando assim a sua existência. Quatro amigas bem consolidadas socialmente, e já com mais de 60 anos, reúnem-se todos os meses para seu clube do livro, além de conversar sobre a vida (suas vidas de casadas, solteiras ou separadas). A mudança dos seus hábitos, e o turning point da trama, advém da escolha do próximo livro, 50 sombras de Grey.

Bill Holderman concretiza uma realização extremamente básica e por vezes até utiliza facilitações técnicas. Cena, por exemplo, como a qual se passa em volta da mesa em pleno pequeno-almoço, é um emaranhado de cortes secos e alternâncias de planos frontais, aparentando realmente que a realização não é o ponto forte desta produção. A estrutura básica da introdução das personagens no primeiro ato é literalmente escancarado ao espectador, com a utilização de narração em off sobre a atual posição financeira e social de cada uma das amigas, além do desenvolvimento no segundo ato, de estopim para o ato final, com brigas de casal.

O trunfo desta longa-metragem, entretanto, encontra-se nas suas atrizes principais. A equipa é formada somente por consagradas, atrizes relevantes no cenário do cinema, Diane Keaton, Jane Fonda, Candice Bergen e Mary Steenburgen. Keaton, a menina dos olhos de Woody Allen como Annie Hall no homónimo filme, assim como Mary de Manhattan, e Fonda, conhecida por diversos trabalhos na área da comédia, mais recentemente na sitcom da Netflix, Grace & Frankie, possuem os arcos mais bem trabalhados pelo argumento, porém todas elas esbanjam carisma e tranquilidade ao interpretar as suas personagens.

A retratação de senhoras que já atingiram a “idade madura”, mas que entretanto não querem “morrer antes de estarem mortas”, como é dito pela personagem de Fonda, é o que rende as boas piadas e o que nos mantém interessados em acompanhar a jornada destas quatro mulheres. Nem sempre tão afiadas, mas bem adicionadas à fluidez da trama, de riso fácil e propondo uma outra visão sobre as vontades e determinações femininas.

Do Jeito que Elas Querem agradará o grande público e é uma boa alternativa para o cinema de entretenimento no nível distrativo, não sendo em nenhum momento apelativo ou exagerado, apenas cumprindo a proposta que propõe como comédia revisitada com um toque a mais.

Ilana Oliveira



Deixe um comentário

voltar ao topo

Contactos

Quem Somos

Segue-nos