«Marvin ou la belle éducation» (Marvin) por André Gonçalves - C7nema
Menu
RSS

 



«Marvin ou la belle éducation» (Marvin) por André Gonçalves

Desde que começamos a aprender como o mundo funciona, tendemos também, por influência social, a categorizar pessoas por traços específicos que possam resumir em poucas palavras o que a pessoa é. A loira, o judeu, o preto... e o paneleiro, o maricas. 

No caso da orientação sexual, o caso é diferente de outros traços fisicamente intrínsecos, como a raça. Tal como o diretor da escola de teatro onde Marvin ingressa nos diz, um português de segunda geração: um miúdo negro vítima de bullying pode chegar a casa e ter o reconhecimento do trauma pela própria mãe; um homossexual não. E assim, a história de um coming out não é apenas e só uma história de bullying; claro que Marvin tem, ao assumir querer contar uma história de passagem à maturidade via revelação de uma identidade tanto social como sexual, o obstáculo de se inserir num portfólio de imagens já muito vistas para quem é dado às andanças queer

Sim, esta "bela educação" de Marvin (encarnado por Finnegan Oldfield, uma nova revelação que pelo menos os Césares souberam reconhecer) é idêntica a tantas outras educações humanas. Mas se olharmos para o filme com alguma atenção, conseguimos notar, através dos ziguezagues que vai fazendo com notória facilidade ao espaço-tempo (mérito também da montagem), que a história típica de um coming out e a sua teatrialidade posterior são tratados com uma sobreconsciência das nossas imperfeições e ambiguidades morais (da nossa humanidade!) que tanto esperávamos de outro cinema mais aclamado dos últimos anos (i.e. Moonlight, onde a montagem foi praticamente o filme, e não a composição em si). Não há bons e maus aqui: há, quanto muito, os incluídos e os excluídos. Por outras palavras, sim, somos tão imperfeitos como a família que nos criou; podemos não saber demonstrar algo tão aparentemente simples, na sua forma tão mediatizada em histórias de final feliz, como o amor por outro (como a belíssima cena do comboio nos mostra, com o tempero suficiente, sem sobrecarregar). Os nossos pais não são arquétipos de super-heróis ou super-vilões: são pessoas como nós, que provavelmente não conseguiram ter o acesso à educação que um outro meio social teria oferecido de bandeja. Podemos tentar buscar reconhecimento na burguesia como meio de escape ou de validação posterior, mas a família efetivamente é a que nos acondicionou, e sangra connosco. A responsável é, mera coincidência, uma mulher: Anne Fontaine, que realizou e co-escreveu o argumento.

Há claro, pelo meio, outra mulher a fazer estragos nesta história de transgressão de expectativas de género: Isabelle Huppert, a fazer dela própria (criando ainda assim uma nova persona?), anjo de redenção do homossexual ostracizado. E a fechar uma canção clássica de Lisa Gerrard. Pode-se acusar o filme de ser lírico, teatral ou até não trazer nada de novo à mesa. Aceita-se. Neste teatro da vida, porém, as notas queer da vida de Marvin, num risco irónico de passarem à margem do mainstream, tão bem doseadas na sua universalidade e na maturidade de reconhecer a imperfeição de todos os seus atores, falam mais a esta alma humana que outros casos de sucesso tidos como vanguardistas (quando são efetivamente tão ou mais genéricos que este filme).

 

 

André Gonçalves

 

 



Deixe um comentário

voltar ao topo

Contactos

Quem Somos

Segue-nos