Menu
RSS


«Justice League» (A Liga da Justiça) por José Pedro Lopes

Gostar do presente, gostar de gostar” lá canta Adriana Calcanhotto naquele lindo à infância que é o seu “Também Vocês”.

Como adulto que cresceu com os livros de quadradinhos debaixo do braço (quer Marvel quer DC), e que já mais crescido ficou boquiaberto a ver o meu “Ace Ventura” a ser vilão do Batman (“Para Sempre”), e que como pai agora lá vê o Cyborg a dizer disparates no “Teen Titans Go!” (do Cartoon Network), não imagino muito por onde se odiar «A Liga da Justiça». Deixa-me um bocado surpreendido como há tanto prazer em dizer mal, odiar, meme(izar) ou dissecar um género de filmes que há uns anos atrás era feito para quem gostava de ver homens de licra a mandar laser dos olhos contra bicharocos.

Dito isto, posso adiantar que gostei de «A Liga da Justiça» e que mais, gostei de gostar. O filme consegue gerir, de forma graciosa e dinâmica, aquilo que é uma equipa de super-heróis extraordinariamente poderosos e muito diferentes. Aliás, Batman e o seu mordomo Alfred bem que queixam de serem os únicos pedestres da equação.

No entanto não me surpreende: este “line-up” de heróis é diverso e o talento que os interpreta ajuda. Ezra Miller reinventa o «Flash» como um herói (sobre)entusiasmado enquanto que Jason Momoa incorpora o absurdo “cool” que são as habilidades de «Aquaman». E claro, sem surpresa, Gal Gadot deslumbra como «Wonder Woman», e o filme mais não faz do que lhe dar o comando das ações.

Após uma primeira metade protocolar de introdução de heróis (que é, no entanto, interrompida por duas fantásticas sequências que opõe os invasores Parademons à Amazonas, e outra em estilo “O Senhor dos Anéis” que nos relembra porque o espírito DC Comics é descabeladamente louco), o filme tem de lidar com a grande questão: temos ou não Super-Homem?

A resolução dessa dúvida e o que vem a seguir relacionado com o Homem de Aço são para mim as melhores partes do filme, e a dinâmica e química que ia descompensada encontra um ponto perfeito. Dizer mais seria estragar o melhor do filme, por isso, fica apenas o apontamento.

Há, no entanto, algumas atribulações, certamente herdadas do que foi uma produção atribulada. Steppenwolf é um vilão linear e desinteressante (e erradamente todo feito em CGI) e nunca se põe como uma verdadeira ameaça (aliás, Diana Prince a certo ponto até lhe diz “tu sobrestimas-te”). E o cunho autoral de Zack Synder está minimizado, algo que me parece pena considerando que o filme é narrativamente o fecho de uma trilogia.


José Pedro Lopes

 



Deixe um comentário

voltar ao topo

Atenção! Este website usa Cookies.

Ao navegar no website estará a consentir a sua utilização. Saber mais

Entendi

Os Cookies

Utilizamos cookies para armazenar informação, tais como as suas preferências pessoais quando visitam o nosso website. Os cookies são pequenos ficheiros de texto que um site, quando visitado, coloca no computador do utilizador ou no seu dispositivo móvel, através do navegador de internet (browser). 

Você tem o poder de desligar os seus cookies, nas configurações do seu browser, ou efetuando alterações nas ferramentas de programas AntiVirus. No entanto, isso poderá alterar a forma como interage com o nosso website, ou outros websites.

 Tipo de cookies que poderás encontrar no c7nema?

Cookies estritamente necessários : Permitem que navegue no website e utilize as suas aplicações, bem como aceder a eventuais áreas seguras do website. Sem estes cookies, alguns serviços que pretende podem não ser prestados.

Cookies analíticos (exemplo: contagem de visitantes e que páginas preferem): São utilizados anonimamente para efeitos de criação e análise de estatísticas, no sentido de melhorar o funcionamento do website.

Cookies funcionais

Guardam as preferências do utilizador relativamente à utilização do site, de forma que não seja necessário voltar a configurar o website cada vez que o visita.

Cookies de terceiros

Medem o sucesso de aplicações e a eficácia da publicidade de terceiros. Podem também ser utilizados no sentido de personalizar widgets com dados do utilizador.

Cookies de publicidade

Direcionam a publicidade em função dos interesses de cada utilizador. Limitam a quantidade de vezes que vê o anúncio, ajudando a medir a eficácia da publicidade e o sucesso da organização do website.

Para mais detalhes visite http://www.allaboutcookies.org/

Secções

Quem Somos

Segue-nos

Contactos