Menu
RSS


«Lady Macbeth» por André Gonçalves

Pegando inspiração na clássica personagem de Lady Macbeth de Shakespeare, o novelista russo Nikolai Leskov tinha transposto para a sociedade do século XIX uma nova trama de conspiração de um crime, em nome de um amor. Por sua vez, em 2016, o realizador William Oldroyd e a argumentista Alice Birch adaptam então o romance, mudando então o espaço para a Inglaterra rural. Tal mudança não significa, no entanto, uma amenização do enredo. O filme mantém assim uma trama que mistura a descoberta de um amor proibido - num clima onde as mulheres eram praticamente tratadas como/comparadas a gado ou um terreno baldio - com alguns "pensamentos mortais" que partem precisamente da mente da mulher supostamente subjugada.

Fazendo parecer a maquinação cruel de Lady Susan de Love and Friendship [ler crítica] - de longe, a criação de Jane Austen mais maquiavélica - parecer uma brincadeira inofensiva, Lady Macbeth não perde tempo em estabelecer o cenário com o mínimo de floreado possível. É desde logo esse minimalismo que nos captura e desarma, sobretudo no que toca à ausência de qualquer banda sonora em praticamente todo o filme, dando o filme primazia aos sons ao redor, que se revelarão importantes com o avançar da narrativa. Até os diálogos nos primeiros minutos se cingem ao essencial, até porque vendo bem, esta é também uma história sobre problemas de comunicação. Fala-se muito do realizador Christopher Nolan e dos seus grandes feitos nos últimos tempos por Dunkirk [ler crítica], mas um dos melhores diretores contemporâneos tem de facto muito a aprender com a gestão de som e diálogos que o igualmente formalista Oldroyd apresenta logo à sua primeira longa-metragem... 

É um formalismo rigoroso, mas que acaba por estar repleto de conteúdo (e símbolos) a quem for capaz de o revisitar, habilmente conduzido também pela direção de atores, todos eles relativamente desconhecidos: Florence Pugh, a Lady Macbeth do título, e Cosmo Jarvis o seu interesse amoroso obsessivo capturam sempre a nossa atenção, remando contra a falta de empatia que as suas personagens crescentemente geram. 

Esta falta de empatia, transversal aliás a quase totalidade dos seus personagens, é real e intencionada; que o filme não se preocupe minimamente com a nossa compaixão é refrescante. Sem pedir compaixão numa era onde neuroses ou psicopatias geraram anti-heróis aqui e ali na cultura popular, ou em sublinhar contextos políticos separando-os do resto (i.e. feminismo vs. patriarcado - e aqui o diálogo é com a Sofia Coppola de The Beguiled [ler crítica]) ou até eventos narrativos da obra original (um exemplo: a gravidez da personagem titular sendo meramente sugerida), Lady Macbeth acaba por ver o seu alto risco e compromisso recompensados. Desvia-se até no último troço da rota de Leskov, numa variação ainda mais cruel da original, fidelíssima no entanto à sua proposta: uma tragédia sem grandes heróis, apenas homens e mulheres vítimas dos seus vícios - podendo ser o amor o maior desses vícios. Uma obra deveras romântica, portanto. 

André Gonçalves



Deixe um comentário

voltar ao topo

Atenção! Este website usa Cookies.

Ao navegar no website estará a consentir a sua utilização. Saber mais

Entendi

Os Cookies

Utilizamos cookies para armazenar informação, tais como as suas preferências pessoais quando visitam o nosso website. Os cookies são pequenos ficheiros de texto que um site, quando visitado, coloca no computador do utilizador ou no seu dispositivo móvel, através do navegador de internet (browser). 

Você tem o poder de desligar os seus cookies, nas configurações do seu browser, ou efetuando alterações nas ferramentas de programas AntiVirus. No entanto, isso poderá alterar a forma como interage com o nosso website, ou outros websites.

 Tipo de cookies que poderás encontrar no c7nema?

Cookies estritamente necessários : Permitem que navegue no website e utilize as suas aplicações, bem como aceder a eventuais áreas seguras do website. Sem estes cookies, alguns serviços que pretende podem não ser prestados.

Cookies analíticos (exemplo: contagem de visitantes e que páginas preferem): São utilizados anonimamente para efeitos de criação e análise de estatísticas, no sentido de melhorar o funcionamento do website.

Cookies funcionais

Guardam as preferências do utilizador relativamente à utilização do site, de forma que não seja necessário voltar a configurar o website cada vez que o visita.

Cookies de terceiros

Medem o sucesso de aplicações e a eficácia da publicidade de terceiros. Podem também ser utilizados no sentido de personalizar widgets com dados do utilizador.

Cookies de publicidade

Direcionam a publicidade em função dos interesses de cada utilizador. Limitam a quantidade de vezes que vê o anúncio, ajudando a medir a eficácia da publicidade e o sucesso da organização do website.

Para mais detalhes visite http://www.allaboutcookies.org/

Secções

Quem Somos

Segue-nos

Contactos