Menu
RSS

10 curiosidades das nomeações aos Oscars

  • Publicado em Artigos

 

Com muita da imprensa norte-americana a vangloriar os nomeados pela diversidade- a Variety abre um artigo com a frase "The Academy did the right thing" -, existem algumas curiosidades nos indicados aos principal prémio de cinema nos EUA. Alguns nomes foram esquecidos, ou será que foram na verdade penalizados? Já outros fizeram história, e alguns históricos ficaram de fora. Mudam-se os tempos, mudam-se as vontades? Entramos nós num novo ciclo? 

Pois bem, aqui ficam 10 curiosidades/especificidades das nomeações aos prémios da Academia de Artes e Ciências Cinematográficas.

 

James Franco não resiste

Era previsivel que James Franco não resistiria às acusações de assédio sexual e abuso de poder. A sua não inclusão na lista de melhores atores do ano - mesmo tendo sido nomeado para os prémios da Guilda dos Atores e ter conquistado o Globo de Ouro - era algo que se esperava da Academia de Artes e Ciências Cinematográficas, uma entidade que ainda sente a "ira" de muitos por no ano passado ter deixado Casey Affleck ser nomeado e ganhar. 

Mais. Precisamente hoje de manhã, antes das nomeações chegarem, duas das alegadas vítimas de Franco deram uma entrevista ao programa Good Morning America onde falaram dos seus casos.

 

In The Fade foi "esquecido"

A fita de Fatith Akin vinha com o galardão de melhor filme em lingua estrangeira dos Globos de Ouro, mas foi preterido das escolhas dos Oscars. Ganhou com isso The Insult, o qual tem passado ao lado da consagração desta época de prémios (apesar de ter sido distinguido no Festival de Veneza) e primado mais pela controvérsia do seu realizador ter sido detido por algumas horas quando visitou o Líbano.

 

Rachel Morrison e Dee Rees fazem história

A diretora de fotografia de Mudbound fez história ao se tornar a primeira mulher a ser nomeada nessa categoria aos Oscars. Rachel, que filmou em digital e não em película, vendo assim o seu trabalho muito inspirado e ingluenciado por Les Blank, Gordon Parks, Whitfield Lovell e pelos fotografos da Farm Security Administration ser reconhecido. A nomeação já é um prémio para Morrison que tem como próximo projeto Black Panther da Marvel.

Dee Rees tornou-se a primeira mulher negra a ser nomeada na categoria de melhor argumento adaptado, também por Mudbound

 

Christopher Plummer, a boa solução

Foi a única nomeação que All The Money in The World (Todo o Dinheiro do Mundo) teve e por isso,  a aposta de Ridley Scott em substituir Kevin Spacey pelo veterano deu frutos.

 

Greta Gerwig e Jordan Peele

Steven Spielberg tinha previsto que pelo menos uma mulher seria nomeada na categoria de melhor realizador. Greta Gerwig foi a escolhida, num espaço onde ainda podiam estar Patty Jenkins (Wonder Woman) e Dee Rees (Mudbound). Será que Gerwig pode se tornar a segunda mulher a conquistar o Oscar nesta categoria? Conseguirá ela repetir o feito de Kathryn Bigelow (The Hurt Locker, 2009)? 

Por outro lado, Jordan Peele (Get Out- Foge) tornou-se o quinto cineasta negro a ser nomeado nesta categoria, isto depois de John Singleton (A Malta do Bairro, 1991), Lee Daniels (Precious, 2009), Steve McQueen (12 Anos Escravo, 2013) e Barry Jenkins (Moonlight, 2016). Será ele o primeiro a ganhar a estatueta nessa categoria? Em março saberemos.

 

Phantom Thread

Os filmes de Paul Thomas Anderson estão sempre na linha da frente na época dos prémios, mas este Linha Fantasma andava bastante tímido nas nomeações e distinções. Com seis nomeações o filme ressurgiu, embora seja de esperar que não conquiste nenhum dos prémios principais. Perdeu com isto Mudbound.
Já Daniel Day-Lewis poderá ganhar um novo Oscar pelo seu papel neste filme - que segundo ele, será o último da sua carreira de ator.

 

Christopher Nolan

Amado por uns, odiado por outros, Christopher Nolan conseguiu pela primeira vez ser nomeado ao Oscar de melhor realizador. Quem ficou de fora foi Steven Spielberg e o seu The Post, nomeado a melhor atriz e melhor filme, mas também Martin McDonagh, a grande ausência pelo seu trabalho em Three Billboards Outside Ebbing, Missouri.

 

Wonder Woman

Totalmente esquecido nos prémios, até no que diz respeito às áreas técnicas, a Mulher Maravilha foi uma das grandes derrotadas destas nomeações. Será que a Academia não gosta de super-heróis? Talvez, mas a contrariar esse comentário está a nomeação de melhor argumento adaptado a Logan.

 

Timothée Chalamet nomeado, Hammer não

Quem ganhou com a ausência de James Franco (Um Desastre de Artista), Tom Hanks (The Post) e Jake Gyllenhaal (Stronger) foi Timothée Chalamet. Armie Hammer, que podia igualmente ter uma nomeação, foi esquecido.

 

Blade Runner 2049

É verdade que o filme conseguiu 5 nomeações em categorias ditas técnicas, mas acaba por ser surpreendente, olhando para a história e importância do clássico de Ridley Scott, que esta sequela assinada por Denis Villeneuve tenha mais nomeações que o original em 1982 (2 indicações).

«The Shape of Water» (A Forma da Água) lidera a corrida aos Oscars®

 

Foram anunciados esta terça-feira os nomeados à 90ª edição dos Oscars®.

"Este foi um ano notável para os filmes", afirmou o presidente da Academia de Artes e Ciências Cinematográficas, John Bailey, antes de serem anunciadas as nomeações.

The Shape of Water (A Forma da Água), com 13 nomeações, foi o filme mais citado. O filme de Guillermo Del Toro é seguido por Dunkirk com 8 indicações, Three Billboards Outside Ebbing, Missouri (Três Cartazes à Beira da Estrada) com 7, Darkest Hour (A Hora Mais Negra) e Phantom Thread (Linha Fantasma) com 6. Blade Runner 2049 conseguiu 5 nomeações, tantas como Lady Bird, mas o filme de Denis Villeneuve teve todas as indicações nas chamadas categorias técnicas. Get Out (Foge) e Call Me  By Your Name (Chama-me Pelo Teu Nome) ficaram-se pelas 4 indicações. 



A Forma da Água

Em termos individuais, destaque para a presença de Greta Gerwig nos nomeados a melhor realizador, tornando-se assim a quinta mulher a ser indicada nesta categoria. As outras foram Lina Wertmuller (Seven Beauties, 1977), Jane Campion (The Piano, 1994), Sofia Coppola (Lost in Translation, 2004) e Kathryn Bigelow (The Hurt Locker, 2009), tendo esta última conquistado mesmo a ambicionada estatueta. No mesmo sentido, Rachel Morrison tornou-se a primeira mulher nomeada na categoria de Cinematografia pelo seu trabalho em Mudbound (As Lamas do Mississípi), filme que conseguiu um total de 3 nomeações, as mesmas que I, Tonya, emais um que The Post, apenas mencionados na lista 2 vezes .

Já a nomeação de Christopher Plummer a melhor ator secundário demonstrou que a aposta de Ridley Scott em substituir Kevin Spacey pelo veterano foi boa, pelo menos em termos de prémios - foi a única nomeação de All The Money in The World (Todo o Dinheiro do Mundo). "Esquecido", provavelmente consequência dos casos de assédio sexual de que foi acusado, foi James Franco. O vencedor de um Globo de Ouro e nomeado aos prémios da Guilda dos Atores, não surge na lista dos candidatos ao Oscar de melhor ator. 


Christopher Plummer

Quem também não surge em cena é Wonder Woman (Mulher Maravilha), totalmente ignorado pelos Oscars. Outra grande surpresa foi a ausência de In The Fade (Uma Mulher não chora) dos nomeados na categoria de melhor filme estrangeiro. O filme venceu o Globo de Ouro e fazia parte da pré-seleção de 9 obras para esta categoria. 

Os prémios da Academia - com Jimmy Kimmel novamente como apresentador - serão entregues numa cerimónia vai decorrer no dia 4 de março de 2018.

Nomeados

Melhor Filme

“Call Me By Your Name”
“Darkest Hour”
“Dunkirk”
“Phantom Thread”
“Get Out”
“Lady Bird”
“The Post”
“The Shape of Water”
“Three Billboards Outside Ebbing, Missouri”

 

Ator

Timothée Chalamet, “Call Me By Your Name”
Daniel Day-Lewis, “Phantom Thread”
Denzel Washington, “Roman J. Israel, Esq”
Daniel Kaluuya, “Get Out”
Gary Oldman, “Darkest Hour”

 

Ator Secundário

Willem Dafoe, “The Florida Project”
Woody Harrelson, “Three Billboards Outside Ebbing, Missouri”
Richard Jenkins, “The Shape of Water”
Christopher Plummer, “All The Money In The World”
Sam Rockwell, “Three Billboards Outside Ebbing, Missouri”

 

Melhor Atriz

Frances McDormand, “Three Billboards Outside Ebbing, Missouri”
Sally Hawkins, “The Shape of Water”
Margot Robbie, “I, Tonya”
Saoirse Ronan, “Lady Bird”
Meryl Streep, “The Post”

 

Atriz Secundária

Mary J. Blige, “Mudbound”
Lesley Manville, “Phantom Thread”
Allison Janney, “I, Tonya”
Laurie Metcalf, “Lady Bird”
Octavia Spencer, “The Shape of Water”

 

Melhor Argumento Adaptado

“Call Me by Your Name,” James Ivory
“The Disaster Artist,” Scott Neustadter & Michael H. Weber
“Logan,” Scott Frank & James Mangold e Michael Green
“Molly’s Game,” Aaron Sorkin
“Mudbound,” Virgil Williams e Dee Rees

 

Melhor Argumento Original

Guillermo del Toro, Vanessa Taylor, “The Shape of Water”
Greta Gerwig, “Lady Bird”
Emily V. Gordon, Kumail Nanjani, “The Big Sick”
Martin McDonagh, “Three Billboards Outside Ebbing, Missouri
Jordan Peele, “Get Out”

 

Animação

“The Breadwinner”
“Coco”
“The Boss Baby“
“Loving Vincent”
“Ferdinand”

 

Cinematografia

Roger Deakins, “Blade Runner 2049”
Bruno Delbonnel, “Darkest Hour”
Dan Laustsen, “The Shape of Water”
Rachel Morrison, “Mudbound”
Hoyte van Hoytema, “Dunkirk”

 

Guarda-Roupa

“Beauty and the Beast”
“Darkest Hour”
“Phantom Thread”
“The Shape of Water”
“Victoria and Abdul”

 

Realização

Guillermo del Toro, “The Shape of Water”
Greta Gerwig, “Lady Bird”
Paul Thomas Anderson, “Phantom Thread”
Christopher Nolan, “Dunkirk”
Jordan Peele, “Get Out”

 

Melhor Documentário

“Abacus: Small Enough To Jail”
“Faces Places”
“Icarus”
“Strong Island“
“Last Man in Aleppo”

 

Edição

Paul Machliss, Jonathan Amos, “Baby Driver”
Lee Smith, “Dunkirk”
Tatiana S. Riegel, “I, Tonya”
John Gregory, “Three Billboards Outside Ebbing, Missouri”
Sidney Wolinsky, “The Shape of Water”

 

Melhor Filme Estrangeiro

“A Fantastic Woman”
“On Body And Soul”
“Loveless”
“The Insult”
“The Square”

 

Maquiagem & Penteados

“Darkest Hour”
“Victoria And Abdul”
“Wonder”

 

Banda Sonora

Hans Zimmer, “Dunkirk”
Alexandre Desplat, “The Shape of Water”
Jonny Greenwood, “Phantom Thread”
Carter Burwell, “Three Billboard Outside Ebbing, Missouri”
John Williams, “Star Wars: The Last Jedi”

 

Música Original

“Mighty River” de “Mudbound,” Mary J. Blige
“Mystery of Love” de “Call Me by Your Name,” Sufjan Stevens
“Remember Me” de “Coco,” Kristen Anderson-Lopez, Robert Lopez
“Stand Up for Something” de “Marshall,” Diane Warren, Common
“This Is Me” de “The Greatest Showman,” Benj Pasek, Justin Paul

 

Cenografia

“Blade Runner 2049”
“Darkest Hour”
“Dunkirk”
“The Shape of Water”
“Beauty And The Beast”

 

Melhor Curta Metragem (Documental)

“Edith+Eddie”
“Heaven is a Traffic Jam on the 405”
“Heroin(e)”
“Knife Skills”
“Traffic Stop”

 

Melhor Curta Metragem (Animação)

“DeKalb Elementary”
“The Eleven O’Clock”
“My Nephew Emmett”
“The Silent Child”
“Watu Wote/All of Us”

 

Melhor Curta Metragem (Ficção)

“Dear Basketball”
“Garden Party”
“Lou”
“Negative Space”
“Revolting Rhymes”

 

Edição de Som

“Baby Driver”
“Blade Runner 2049”
“Dunkirk”
“The Shape of Water”
“Star Wars: The Last Jedi”

 

Mistura de Som

“Baby Driver”
“Blade Runner 2049”
“Dunkirk”
“The Shape of Water”
“Star Wars: The Last Jedi”

 

Efeitos Visuais

“Blade Runner 2049”
“Guardians Of The Galaxy Vol. 2“
“Kong: Skull Island”
“Star Wars: The Last Jedi”
“War for the Planet of the Apes”

Novo filme de Woody Allen pode não chegar aos cinemas

O novo filme de Woody Allen, A Rainy Day in New York, poderá não chegar aos cinemas. Pelo menos é o que diz a Vulture, que fala de enormes pressões em torno da Amazon para que a empresa tome uma posição definitiva sobre o caso. Com os atores do filme -Timothée ChalametGriffin Newman, David Krumholtz e Rebecca Hall- a anunciarem o seu arrependimento em trabalhar com Allen, A Rainy Day in New York será aquilo que a publicação define como «um pesadelo» para as agências de comunicação e acessores de imprensa.

Recorde-se que serviço de Streaming já passou em outubro passado pelas manchetes dos jornais, isto após o chefe da Amazon Studios, Roy Price, ter sido acusado por Isa Dick Hackett, produtora da série The Man in the High Castle, de várias avanços sexuais indesejados. Price foi suspenso, mas recentemente o caso Woody Allen ganhou novo alento após a publicação de uma carta por parte de Dylan Farrow, filha adotiva do cineasta com Mia Farrow, a qual diz ter sido molestada aos 7 anos.


Jude Law e Elle Fanning em A Rainy Day

De acordo com várias fontes contatadas pela Vulture, a Amazon sente a pressão de não estrear A Rainy Day e dizer que não tolera o assédio sexual. "A Amazon definitivamente pode dar-se ao luxo de suportar o custo do filme", diz um influente executivo de marketing (que pediu anonimato). "Eles podem mostrar à comunidade que estão a ser agressivos [a lidar com o assunto]. E os produtores nunca os iam processar. Você ia parecer um idiota se os quisesse processar por danos."

Outras pessoas familiarizadas com o caso, acham que a solução será outra. A Amazon não estreia o filme nos cinemas e lança-o no seu serviço de streaming com pouca ou nenhuma publicidade. 

Porém, um membro da Academia de Artes e Ciências Cinematográficas, que também prefere o anonimato, afirmou à publicação que Woody Allen dificilmente permitiria no seu contrato que o filme não chegasse ao grande ecrã, sendo assim forçosa uma renegociação contratual. Como receita para a situação, esse "insider" diz se fosse ele a lidar com o caso "deixava a poeira assentar", até porque a "América esquece tudo de qualquer maneira".


Woody Allen e Selena Gomez nas filmagens

Finalmente, um ex-executivo de um estúdio (que também prefere o anonimato) diz que este género de alegações já "assombram" a carreira do autor há décadas, mesmo que hoje em dia estejamos perante um movimento cultural como nunca foi visto: "A minha perspetiva é que os seus fãs são mais velhos e que aqueles que vêem os seus filmes estão ajustados a ele. Esta será uma analogia horrível, mas é como os eleitores do Alabama que escolheram o Roy Moore. Woody terá  sempre os seus fãs, não importa o que aconteça".

Maïwenn fala sobre o assédio sexual e pede "unidade" às mulheres

A atriz e realizadora francesa Maïwenn ainda não tinha falado sobre o assunto desde que o caso de Harvey Weinstein surgiu em outubro passado, nem tão pouco comentou a carta assinada por 100 francesas, entre elas a atriz Catherine Deneuve, que defendia a liberdade dos homens "importunarem" e "seduzirem" as mulheres.

Numa entrevista realizada por Léa Salamé, para o programa Stupéfiant da France 2, a realizadora de Polissia e Meu Rei finalmente deu a sua opinião, escrita na forma de uma carta que a certo ponto a levou às lágrimas: "Escreva um filme, escreva uma carta, escreva um SMS, use palavras e frases que não significam para si o mesmo que para mim. Eu reivindico o direito de curar as minhas feridas como quero (...) Peço que não se julgue uma mulher se ela precisou escrever um livro sobre a sua história de assédio sexual [referência a Sandrine Rousseau, vítima de agressão sexual por parte do deputado Denis Baupin]. Eu reclamo o direito de não julgar uma mulher que pensa que deve resolver as coisas sozinha depois de uma violação. Não somos todos iguais na dor e na resiliência e não temos a mesma habilidade mental ou física de recuperar do nosso trauma. 

Não julgue uma mulher que gosta de violência enquanto faz amor. Não julgue uma mulher que nunca superou um apalpão. Não vamos julgar as mulheres intelectuais que falam e agitam os nossos hábitos. Por favor, vamos parar de nos julgar. (Neste momento, Maïwenn Le Besco começa a chorar).

Algo histórico está a acontecer neste momento, por isso vamos estar unidas. Todos devem poder sofrer com o quiserem, como quiserem e sempre que quiserem. Vamos conseguir."

Secções

Contactos

Quem Somos

Segue-nos