Menu
RSS


Miou-Miou: o regresso da "rapariga de As Bailarinas" aos nossos cinemas

No rescaldo do Maio de 68, a jovem Sylvette Herry, juntou-se à trupe do Cafe de la Gare, em Paris, que defendia um teatro espontâneo, livre das restrições comerciais. Foi outro membro do grupo, Coluche, na altura seu noivo, que a rebatizou de Miou-Miou, apelido adotado pela atriz, que fez a sua estreia no cinema em 1971 com La Cavale (1971).

Nessa década ela participa em inúmeras obras imbuídas do espírito rebelde do tempo com cineastas como Marco Bellochio (A Marcha Triunfal), Alain Tanner (Jonas que terá 25 anos no ano 2000) e Claude Miller (Amor Impossível), nunca se podendo esquecer Themroc, obra Sui generis de Claude Faraldo. Foi contudo em 1974 que a sua carreira explodiu, depois de protagonizar Les Valseuses (As Bailarinas) de Bertrand Blier.

A própria disse numa entrevista em 2000: "Eu vou ficar, é claro, sempre como a rapariga dos Les Valseuses (As Bailarinas). E estou muito feliz com isso. Mas eu não queria ser a mulher de um só papel. Naquela época, era constantemente solicitada a fazer a personagem da pequena loira engraçada com olhos negros e voz baixa."

Nas décadas que se seguiram participou em inúmeros projetos, quer do cinema comercial, quer trabalhos de autor, onde trabalhou com cineastas como Louis Malle, Patrice Leconte, Claude Berri, Anne Fontaine, Michel Gondry, Radu Mihăileanu e até Luís Galvão Teles (em Elas, 1997).

Ausente do cinema desde 2013, ano em que participou em Landes, Bob et les Sex Pistaches e Arrêtez-moi, d depois de passar pelas salas nacionais em 2012 em A Datilógrafa, Miou-Miou surge como protagonista de Lá Vamos Nós Outra Vez! (Larguées), comédia que chega às salas portuguesas brevemente.

Mas o que interessou a Miou-Miou neste projeto no qual ela desempenha o papel de uma mãe abandonada pelo marido que parte com as duas ilhas para um local paradisíaco em busca de sentido para a vida? "Ao ler o guião e quando eu conheci a Eloise Lang [a realizadora], o que eu gostei foi o seu singular olhar para as coisas", diz a atriz, que confessa que tem uma visão muito diferente do género de clubes de férias que surge no filme: "A Eloise vê o clube de férias como um lugar cuja missão é fazer as pessoas felizes, onde os outros vêem a fábrica para turistas com música de fundo e coquetéis adulterados ... Por isso, foi este universo muito terno, nunca caricatural ou desdenhoso, que gostei muito."

Questionada sobre os critérios para escolher os seus projetos, Miou Miou fala em "Instinto e Amor", reconhecendo que para este filme a sua ambição era "entreter e fazer rir", classificando a história como "quase secundária em relação ao potencial delirante do trio de personagens".

Sobre a sua Françoise, a atriz diz que o que gosta nela é "que no começo ela chafurdou na sua depressão. E por boas razões, já que sai de férias com uma dupla humilhação, sendo abandonada, mas também apoiada pelas suas filhas. Então, após a fase de aceitação, há uma mudança radical de visão. Ela foge da sua forma de ver o seu relacionamento com as coisas, ela não quer ser a ex-mulher, nem a mãe, apenas uma mulher. Há algo forte nisso, mas é contado com muita simplicidade e diversão."

Trabalhar com a "novata" Eloise Lang

"A Eloise nunca deu a impressão de que este era o seu primeiro filme. Ela demonstrou uma incrível solidez e força. Todos nós tínhamos um desejo: agradar. Provavelmente porque ela exala isso. Ela é linda, engraçada, calma e tenaz sem te seduzir. E mesmo sendo um pouco "arruaceira", não é desonesta e sabe exatamente o que quer!(...) Ela não hesita em mostrar às pessoas que pensam ser o que realmente são, sem se preocupar com o que será dito. No filme, nós fumamos muito, bebemos, fazemos e dizemos coisas insanas, fora de todas as restrições morais! Com essa liberdade no tom do filme, entendi o quanto vivi, inconscientemente, numa certa autocensura inerente à época. O que é errado porque a Eloise consegue ser ultra insolente (ou trash) sem nunca chocar!"

As filmagens...

"As filmagens correram muito bem, especialmente considerando as condições, presos numa ilha por dois meses ... As pessoas pensam sobre o cartão postal, mas os grãos também estão nas ilhas! Poderia ter havido muitas cabeças perdidas, mas, pelo contrário, houve um coletivo muito solidário e determinado no set como na festa à noite! Era familiar também, era divertido voltar à noite e ver os maridos no jardim cuidando das crianças enquanto aguardavam o regresso das esposas."

Mas que cenas preferiu filmar? Miou-Miou responde que quase todas, em especial as sequências de dança, karaoke, com o "Atores do clube", a Olivia, o Johan, o Youssef, e Sylvain: "Também adorei filmar com a Camille Cottin e a Camille Chamoux, elas são muito diferentes, uma é totalmente imprevisível e a outra prática uma auto-análise imediata, o que também faz toda a diversão."

Momentos difíceis....

"Tive um pequeno problema com a sequência onde tenho que "estar morta" na água. No começo, não consegui. Mas não queria ter alguém a fazer de mim, achava isso vexante, por isso treinei e vim a entender que, para conseguir fazer a estrela do mar (boiar), você só tem que relaxar e soltar-se."



Deixe um comentário

voltar ao topo

Contactos

Quem Somos

Segue-nos