«Lady Bird», uma história sobre crescimento - C7nema
Menu
RSS


«Lady Bird», uma história sobre crescimento

Em Sacramento (Califórnia), em 2000, uma peculiar jovem adolescente de 17 anos faz a sua entrada na vida adulta.

É este o mote do filme Lady Bird de Greta Gerwig. Os talentos de Greta como atriz são sobejamente conhecidos mas a sua estreia na realização entra diretamente na mesma lista de Woody Allen e Richard Linklater ao criar um filme sobre a vida, sobre os momentos afortunados desta mas também sobre os infelizes, sobre os prazeres mas também sobre os infortúnios. Lady Bird é inocentemente sincero e mostra personagens que são retratos de pessoas reais e com as quais nos identificamos.

Filmes sobre a entrada na idade adulta não são novidade no cinema, no entanto a forma como Gerwig realizou o filme é fresca e cheia de surpresas, tal como a vida. Quase que dá para apostar que Greta Gerwig criou estas personagens, elaborou um ponto de partida e começou a escrever, deixando as ideias fluir de forma natural à medida que ia inventando a história.


Ao longo do filme, sempre que a personagem principal, interpretada por Saoirse Ronan tenta conversar com elementos do sexo masculino protagoniza cenas verdadeiramente estranhas mas realistas, tal como cada interação que tem com os pais. Todo o argumento é mergulhado em emoções humanas.

O burburinho em torno de do filmes estreia de Greta aconteceu logo após o estrondo que teve com a avaliação quase imaculada no Rotten Tomatoes mas depressa os ânimos acalmaram e aquilo que todos esperavam não aconteceu. Nem toda a critica recebeu o filme de braços abertos. É que o filme não é para todos. Porquê? Sobretudo pela sua temática central, que para muitos pode ser catalogada como "filme de e para adolescentes". Mas para a autora destas palavras, esta indexação é demasiado singela para o filme em causa. Garanto que quando o filme terminou, queria mais. Ficava com gosto a ver mais capítulos da curiosa e divertida vida de Lady Bird.

Todo o elenco é soberbo, mas Saoirse Ronan é soberba como Christine 'Lady Bird' McPherson. É a típica personagem que adoramos odiar e odiamos adorar. Simpática mas detestável, mal educada mas divertida, irreal mas verdadeiramente humana. Laurie Metcalf e Tracy Letts são os pais de Lady Bird e ambos são brilhantes. A família de Bird não é perfeita. Os problemas monetários têm um grande impacto no dia-a-dia familiar. O pai está desempregado, a mãe trabalha a dobrar para conseguir suportar as despesas mensais. Entre a jovem e os pais acontecem momentos maravilhosos e intensos. O pai apoia a rapariga no sonho de entrar numa universidade em Nova Iorque, já a mãe prefere ter a extrovertida jovem perto de casa. Entre os três existem momentos de grande cumplicidade mas também de choque geracional e de conflito de valores. 

O jovem talentoso Timothee Chalamet, a estrela revelação de Call Me by Your Name, é um dos namorados de Lady Bird e a sua personagem é um dos pontos mais fracos do filme. Talvez porque não consegue brilhar na interação com uma personagem principal tão forte, ou porque Greta tomou a opção de lhe dar uma forma de estar e de ser tão extremista e política que não permite ao espectador criar grande empatia com a figura que interpreta. Beanie Feldstein que encarna a melhor amiga de Lady merece uma saudação pela positiva.


Todos sabemos o que é estarmos inseguro sobre quem somos e quem queremos ser. Lady Bird explora isso, com humor e habilidade dramática. Vai deixar-nos tristes, vai fazer-nos sorrir mas mais importante do que isso, vai fazer-nos pensar nas nossas próprias vidas. O filme parece capturar perfeitamente um tempo e o lugar na vida de uma determinada pessoa. Ronan é incrível e Gerwig e prova definitivamente que é uma talentosa cineasta. A cinematografia, a edição, a arte e o guarda-roupa contribuem de forma perfeita para o argumento e para aquela que é uma espécie de homenagem a Sacramento. O filme é engraçado, doce, especial, repleto de detalhes e cuja grandeza é difícil explicar em palavras. Obrigatório ver. E a partir de agora, parece certo que se era um prazer ver Greta Gerwig à frente das câmaras, passou a ser muito desejável ver mais do seu trabalho nos bastidores da realização.


“Listen, if your mother had had the abortion, we wouldn’t have to sit through this stupid assembly!”



Deixe um comentário

voltar ao topo

Contactos

Quem Somos

Segue-nos